Mostrando postagens com marcador artigos gastronômicos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador artigos gastronômicos. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

As escolhas gastronômicas dos consumidores do séc. XXI – Tendências da Gastronomia no Brasil - Por Denise Alves Pereira

Foto: do site do texto
No meio de um bombardeamento de opções, o homem moderno vai estabelecendo suas escolhas gastronômicas de acordo com suas preferências pessoais, modismos, imposições mercadológicas determinadas pelos chefs e grandes indústrias e também, pela busca do prazer.
Os cardápios da atualidade tendem a disponibilizar pratos e produtos que  transmitam uma ideia de customização: foi feito para você! Os consumidores agradecem quando têm suas vontades realizadas ou quando se sentem instigados a experimentar novas experiências.
Em uma marcha contrária à padronização, tem sido muito usada a filosofia do “comfort food”, que nada mais é do que uma comida feita com carinho e que busca remeter a lembranças positivas e à afetividade.
Roberta Sudbrack, chef condecorada com uma estrela do renomado Guia Michellin, define seu cardápio para o RSCasa, um segmento de seu restaurante que entrega a refeição pronta para o consumidor, como ” feito para sua conveniência, seu conforto e seu prazer. Um serviço de encomenda sob medida, entregue em domicílio. Um luxo pela ideia de unir e reunir as pessoas, pela exclusividade que oferece e pela alta referência da marca culinária da Chef Roberta Sudbrack. Poucos itens, séries limitadas, produtos exclusivos. Um cardápio que respeita as estações e será atualizado periodicamente. Queremos proporcionar o reencontro com os gostos desaparecidos. Uma comida simples, tradicional e própria das refeições familiares. Um resgate do tempo para aproveitar a família, os amigos e os amores. RSCasa é a vida em casa em grande estilo, moderno e único.”
A comida étnica, de relegada a segundo plano, passou a ter a preferência dos comensais apoiada no nostálgico e tradicional.
O modismo nas dietas, não é um. São vários. Tem quase um para cada caso, indo de restrições alimentares associadas à doenças até a escravização pelo culto ao corpo. Nesse quesito insumos ganharam notoriedade e outros foram execrados. O ovo de galinha é um bom exemplo desta transformação.
Das dietas a que mais ganhou prestigio quanto aos benefícios para a saúde foi a Mediterrânea, que foi associada à saúde do coração e ao estímulo para perda de peso.
A gourmetização veio para dar um ar de luxo e glamour aos pratos, promovendo definições extravagantes para os mesmos. Pratos simples ganharam status de nobres.
Gerações mais novas foram reconhecidas como clientes potenciais e tiveram os olhares voltados para elas. Esse é um dos casos da geração Y, que tem como característica a busca por uma alimentação saudável. Até as grandes redes de fast food se curvaram perante ela e incluíram em seus produtos escolhas mais benéficas ao organismo.
Os combos passaram a ser uma opção aparentemente mais econômica, mas que no fundo é utilizada para um consumo maior que o desejado, forçando um gasto superior. E muitos comensais se rendem à eles.
Aliar “show” ao vivo à alimentação também seduz o consumidor moderno. Preparar pratos, no centro dos salões dos restaurantes, encanta aos espectadores, que apostam que aquilo seja uma aula. Não tem errada.
A harmonização de pratos e bebidas virou uma febre. Um ajuda ao outro para desencadeamento de sensações agradáveis. E as bebidas artesanais deixaram de ser discriminadas. Agora são chiques.
No livro Comida e Vinho – Harmonização Essencial, José Ivan Santos e José 
Maria Santana, citam que “no mais, a nossa proposta segue a mesma: mostrar que o prazer à mesa aumenta quando a comida e a bebida se completam.”
A sustentabilidade não é esquecida. Todos parecem estar preocupados com o destino do planeta. A ordem de consumir  produtos de agricultores locais e próximos virou uma bandeira.
Por imposição dos chefes, ofertas de insumos ou até mesmo por estratégias de marketing, os cardápios veem sendo escritos baseados nessas tendências.
A escolha parece ser própria de cada um dos consumidores, mas é impregnada pelas múltiplas informações da globalização e por um bolso mais justo.